quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Christmas at Paulista Avenue - São Paulo

São Paulo está decorada e iluminada para o Natal, desde o centro, até Moema, Jardins, Tatuapé, Lapa e todo o entorno da cidade. Escolhi a avenida Paulista para umas fotos diurnas do devaneio natalino. Quem, no Brasil, tem mais dinheiro para decorações e festas? Claro que os bancos. Ao contrário dos EUA, os bancos brasileiros já sifu no passado e agora desfrutam dos tempos dourados e podem enfeitar suas fachadas. Aliás, a torre do Santander Banespa, no centro, merece um dez pela decoração. Espero que um dia os serviços do banco cheguem ao nível de seu gosto estético, mas isso nem Papai Noel...


Esta sacada boludíssima é do Itaú Personalitté.

O Real Santander criou em seu espaço interno temas de Natais de todo o mundo. É maior espaço decorado e aberto à população na av. Paulista.

Três gerações se admirando e curtindo aquilo que o Natal e a Páscoa mais celebram: a vida.

Pantagruélica refeição dos Papais Noéis no espaço Real-Santander.

Outrora maior banco privado do Brasil, o Bradesco Prime inovou trazendo o trem do Papai Noel para a Paulista. Os veadinhos ficaram desempregados e os anõezinhos tiveram que carregar além dos presentes, o carvão todo a bordo, ou seja, o clima no pólo norte ficou mais gélido com as mudanças mas o bom velhinho ouviu as reclamações, tirou os óculos, coçou as barbas brancas e vaticinou: vão sifu.

Janelas do Bradesco Prime.

São Paulo tem facetas absolutamente pós-arquitetônicas que ficam bem com um toque disneyano de festas sacras.

Não podia faltar a minha igreja particular: São Luiz Gonzaga, o santo jesuíta que morreu aos 22 aninhos puro, casto e virgem. Bem, ele já fez os sacrifícios por todos seus xarás, portanto vamos comemorar. A igreja está discreta e elegantemente decorada, como é de praxe com a estética e sobriedade jesuítica.

Essas bolas prateadas e douradas pendem dos postes de sinalização no meio da avenida e à noite lançam uma esteira de brilho pairando sobre o congestionamento cotidiano.

E aí está o maior banco privado do Brasil. Seguindo a tradição do antigo Bank Boston, fagocitado pelo Itaú, os novos donos resolveram continuar a decorar o belíssimo casarão. Quem sabe agora, com a aquisição do Unibanco, aquele que nem parecia um banco, o Itaú mantenha, além das fachadas natalinas, a qualidade dos cinemas que Unibanco desenvolveu pelo país.

Uma fachada toda feita para você. Aliás, sobre bancos, qual o melhor banco do mundo? Qualquer um, desde que você não precise dele.

Quando se fala em fazer decorações com material reciclado, a possiblidade do resultado ser um lixo é bem grande. Neste caso isso não ocorreu, se bem que a estética resultante pode ser questionada, mas tem seus méritos. A árvore de Natal, na esquina da Paulista com Consolação, foi feita com latas de alumínio, garrafas pet e estrados de madeira.

E ela tem um painel de energia solar no alto que garante autonomia para suas luzes. É uma árvore sustentável, ecológica e sua estética parece proclamar: me reciclei, e daí?

Gostei da árvore pós-lixo e aí está sua ficha técnica.
Inicio amanhã uma viagem para ver papai, em Curitiba, onde as luzes são igualmente fascinantes, e na volta conto as novidades da estrada.

3 comentários:

lipetoledo disse...

Caro Professor,

Cheguei ate aqui por um e-mail do colega de ECA, Kleber.
Deixo meus parabens e ja comeco a acompanha-lo por aqui!

Aquele abraco

Luiz Trigo disse...

Oi Felipe, tudo blz com vc?

Abração

kleber disse...

Realmente as bolas azuis e brancas que estão presas no canteiro central, dõ um ar charmoso e nada exagerado à avenidade, que está super iluminada!