quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Aeroporto de Guarulhos - outra vergonha nacional

O caso saiu recentemente na capa da Vejinha e em outros meios da grande mídia, prejudica milhares de passageiros todos os dias, mas não adianta. Os governos federal e estadual de São Paulo, assim como a Infraero, a Polícia Federal e a Receita Federal não resolvem a situação de desconforto e caos que se repete todas as manhãs no aeroporto internacional de São Paulo, com a chegada de vários voos internacionais. É uma arrogância obtusa das autoridades, um descaso nefasto com os que viajam a trabalho ou a lazer, mas ninguém faz nada. E poucos reclamam. Como o país quer se preparar para a Copa do Mundo e as Olimpíadas se sequer consegue dar condições de embarque em portos (vide minha postagem sobre Santos, a outra vergonha nacional) e aeroportos?

Em julho de 2009 fui para o sudeste asiático e passei por aeroportos excelentes, construídos em países igualmente "em desenvolvimento" como Tailandia e Malásia. Sem contar a excelência dos aeroportos de Hong Kong e da China (se bem que na China continental as autoridades alfandegárias possuem um ranço autoritário e ignorante). Mas os aeroportos são modernos, funcionais, confortáveis e bonitos. Realmente me admira a passividade, a leniência com que nossas classe média suporta ser maltratada de boca calada, como ovelhas indo ao matadouro felizes com sua sorte e destino.

Mas há mamíferos com tutano nessa massa amorfa. Transcrevo na íntegra o e-mail que a amiga Andrea Kogan me enviou, contando seu desembarque em nosso maravilhoso aeroporto paulistano.

"O vôo vindo de New York (Delta) pousou aproximadamente 8 e 15 da manhã;

* saímos do avião e começamos a caminhar no corredor que chega nas escadas rolantes que por sua vez chegam à polícia federal;

*depois de uns 10 minutos de caminhada, antes da escada rolante, havia funcionários Infraero bloqueando o acesso às escadas para a formação de uma fila ali. Como eu estava logo a frente, soube o que aconteceu. Os passageiros que estavam mais atrás pararam e não sabiam o porquê da parada pois isso nunca tinha acontecido antes;

* não sei exatamente quanto tempo ficamos ali, mas foi o tempo da sala debaixo comportar mais pessoas;

*o saguão onde fica a polícia federal tinha duas filas em caracol imensas... como sempre – uma para estrangeiros e outra para brasileiros. Um funcionário tentava organizar a fila assim que as pessoas desciam das escadas rolantes pois no espaço reservado para as filas não havia mais lugar também. O calor estava insuportável e uma menina vomitou na minha frente sem ninguém de limpeza nem nada aparecer;

*depois de cerca de 1 hora passamos pela verificação de passaporte – coisa que leva alguns segundos. Vários vôos chegavam ao mesmo tempo. Várias esteiras lotadas;

*como a demora foi longa, quando chegamos até a nossa esteira, todas as malas estavam ao lado e no chão. Uma confusão pois era a última esteira ao lado do free shop, a fila da saída se misturava ao free shop e pessoas em busca de sua mala;

* não parei no free shop pois a fila da saída dava (sem brincadeira) umas 5 voltas entre o free shop e praticamente a fila da polícia federal. Não havia nenhum funcionário ajudando na organização. Ninguém sabia onde começava a fila e vários pessoas discutiam pois umas entravam na frente das outras... mesmo sem querer;

* demorei 2 horas para sair. Isso – sem esperar mala, sem entrar no free shop e sem ter a bagagem revistada."

Até quando teimaremos em ignorar os princípios básicos de hospitalidade e competência na área de viagens e turismo? Essa situação de Guarulhos existe por muitos anos, não é novidade. Será que algum idiota ainda pensa que viajar ao exterior é privilégio de classe que deve ser punido através da incompetência técnica e burocrática propositais?


Portos e Aeroportos de São Paulo, avacalhando juntos o turismo nacional.

Tem até um filme, feito por um dos passageiros, sobre a desgraça aeroportuária brasileira:

Veja o link <http://www.youtube.com/watch?v=y1v1hQrLa_s>

O que achou do caos? Isso tem acontecido quase todas as manhãs.

4 comentários:

Andréa disse...

Querido,

Foi isso mesmo. Vários dos meus passageiros (estava trabalhando, né?)precisavam pegar outros vôos para outras cidades - imagine a correria...

A viagem do grupo foi excelente... e é uma grande pena quando na volta acontece este tipo de coisa.
B

Beijos

Luciano Fracalanza disse...

Prezado amigo Trigo:
Pena ter visto este assunto em seu blog somente agora. Mesmo assim, defasadíssimo no tempo, quero registrar que algo absolutamente igual passou-se comigo e minha esposa quando retornamos da Europa no final de setembro de 2009. Também fomos parados no corredor, sem sabermos o que se passava adiante, até chegarmos a sala da imigração. Do avião até lá levamos cerca de 45 minutos. Na sala, longuíssimas filas e mais 45 minutos de tempo perdido. Finalmente, o acesso as malas: todas foras da esteira, esparramadas pelo salão. Depois do alívio que tivemos ao encontrá-las, gastamos mais uns 20 minutos até sairmos do aeroporto. Um verdadeiro pesadelo. Entretanto, no final de janeiro deste ano, igualmente retornando da Europa e chegando ao Brasil no mesmo horário matutino, já não encontramos aquela situação de caos. Nossa passagem pelos diversos serviços do aeroporto transcorreu dentro da normalidade brasileira esperada. Parece-me que o problema estava restrito a quantidade de policiais disponibilizados para o trabalho naquele horário matutino. Em setembro eram muito poucos e isto gerava o tumulto. Em janeiro a tropa era bem maior e as filas eram pequenas e o atendimento mais rápido. Um grande abraço e parabéns pelo seu blog. Muito versátil e muito agradável de ler.
Luciano Fracalanza

luiz camacho disse...

O chato é ter que ir a Sao Paulo, Rio para termos serviços de portos e aerortos que poderiam ser bem feitos aqui na Regiao Norte . Estamos tão perto da Europa e Estados Unidos !

Luiz camacho ( Belem - Pará )

luiz camacho disse...

O chato é ter que ir a Sao Paulo, Rio para termos serviços de portos e aerortos que poderiam ser bem feitos aqui na Regiao Norte . Estamos tão perto da Europa e Estados Unidos !

Luiz Camacho ( Belem - Pará )