quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Lejano Sur (4) - Cosas de Punta Arenas

Texto e fotos: Luiz G. G. Trigo
Postado no Chile (teclado sem til e cedilha)
Operacao turística: Orecap Campinas, Luiz Timossi

A escultura El ovejero é típica da cidade. É um pastor de ovelhas.


É meu último dia em Punta Arenas. Para saber mais é só acessar o site.

Comidas exóticas oferecidas em alguns poucos restaurantes: guanaco, ñandu e caiquen (aves), coelho e avestruz.

Essa igreja é dos padres católicos Salesianos. Ao lado está o museu etnográfico, histórico e geográfico de Punta Arenas, visita obrigatória. Outros museus interessantes sáo o Museu Naval e o Museu Regional, situado em uma antiga casa de burgueses locais.

Dentro do Santuário um imenso presépio.

Dezenas de figuras, lâmpadas e cenários fazem parte do presépio.

O cemitério de Punta Arenas é um ponto turístico importante. Há todo tipo de tumbas e monumentos. Essa, acima, é de germânicos.

Há placas indicando as celebridades sepultadas.

Além dos túmulos básicos, há mausoléus e obras de arte. No Brasil, a profa. Samira Adel Osman fez um estudo sobre os cemitério Consolacao e Araca, em Sao Paulo. O cemitério Sao Joao Batista, no Rio, é outro famoso.

Mas há também belos jardins e plantas no imenso parque fúnebre.

Essas árvores sao típicas da Patagônia e os jardineiros as podam direitinho, formando verdes cones naturais.

Essa é a árvore mais formosa e frondosa do cemitério.

Os cones vegetais formam alguns corredores com visual bastante exclusivo.

Algumas culturas tem uma postura existencial bem resolvida com a morte, como é o caso do México. Neste cemitério chileno há túmulos decorados com um capricho extremo e mantidos absolutamente limpos.

E com gente que saiu de cena de bem com a vida. Veja a elegância do Sr. Grimaldi:
"De todo homem conquistei a simpatia
de toda terra desfrutei seus frutos
a gota de suor caiu de minha fronte
e o pao que comi teve um bom sabor."

Esse outro Sr. Grimaldi possui pendores panteístas e mostra que adorou sua terra natal:
"Vivi em teu amor, minha amada Punta Arenas
no longo tempo que me alentou a vida
hoje sou em ti mais terra da tua terra
e te canto meu silênci oa cada dia."
Meu amigo e ex-professor, Régis de Moraes, dizia que devemos sair da vida como quem sai de um banquete: satisfeito e agradecido.

Esse jovem e alegre casal passeava tranquilamente pelo cemitério e de bom gosto posou para o blog. Larga vida a la pareja.

Também os mais velhos passeiam relembrando seus mortos e seu passado.

Algumas culturas possuem seus santos populares locais. O Pe. Luiz Roberto Benedetti, da PUC-Campinas, possui um texto belíssimo intitulado O deus nômade e os santos estabelecidos, sobre religiosidade popular, pesquisado no cemitério da Saudade de Campinas (SP). Punta Arenas tem El indiocito (o indiozinho).

Sua história: "O índio desconhecido chegou desde as brumas das dúvidas histórica e geográfica e jaz aqui sob o pátrio amor da chilenidade eternamente." Foi um garoto indígena, encontrado morto e enterrado em solo cristao. As pessoas fazem preces e colocam flores, placas e enfeites demonstrando seu agradecimento e fé.

Essas facetas culturais formam o imaginário riquíssimo das culturas locais e mostram pontos importantes do passado.

Por detrás dos muros do cemitério, algo pós-moderno assoma.

Alguns túmulos tem pequenas vitrinas decoradas e tematizadas. Veja as motos...

... ou o carrinho, entre os vasos de flores.

É o túmulo de uma crianca, coberto de brinquedos, catavento e flores. Cores vencendo a saudade.
Amanha vou para puerto Natales e depois embbarco no navio Skorpios. Talvez seja impossível postar pois esttarei nos canais, fiordes e geleiras do Chile. Hasta la vista.

Um comentário:

Lélio disse...

Nossa!!!!!!!!! Esse é meu eterno mestre. Parabéns pelas fotos, são fantásticas...