domingo, 25 de julho de 2010

Museu TAM - Brasil

Um dos passeios mais legais dessas férias foi a visita ao Museu da TAM, em São Carlos, interior de São Paulo (240 Km de SP). É o maior museu do mundo pertencente a uma companhia aérea privada.

É um belíssimo espaço com 20 mil metros quadrados, mais de 70 aviões (originais ou réplicas) e um monte de informações e instalações bem estruturadas que mostram a história de uma das delícias criadas pelo ser humano: o prazer de voar.

Cheguei ao museu com expectativa elevada, mas a realidade superou. O museu está muito bem estruturado, há educadores para atender ao público e o lugar poderia estar em qualquer país desenvolvido (conheço o museu da RAF, em Londres e o National Air and Space Museum, de Washington DC. O nosso não é tão grande, mas se equipara em competência museológica e na riqueza de acervo, o mais significativo da América Latina.

É um prazer flanar por entre as máquinas voadoras que povoaram meu imaginário ...

..., desde os aviões mais recentes, como o Fokker F-100, da TAM, que usei na década de 1990, quando fazia as visitas pelo Ministério da Educação em faculdades de todo o Brasil ...

... até a réplica do pouco conhecido Demoiselle 22, o mais elegante avião que Santos Dumont produziu.
O lugar possui uma luz natural bem aproveitada ...

... e os displays valorizam as peças do acervo, como esse Vought F4U-1 Corsair, com asas dobráveis para ocupar menos espaço nos antigos porta-aviões.

Sempre sonhei em voar nesse avião, uma preciosidade dos céus na década de 1940 mas nunca tinha visto um.

É o Lockheed - 049 Constellation que a Panair do Brasil possuía. Esse modelo, original, foi fabricado nos EUA em 1946 e ficou uns 30 anos abandonado no Paraguai até ser trazido para restauração e exposição. Pena que seu interior esteja vazio. Era um palacete voador intercontinental de seu tempo. Não custa lembrar que a Panair do Brasil foi fraudulentamente levada à falência pelo regime militar, em 1965, para que a antiga Varig fosse beneficiada. Deu no que deu...

Há centenas de miniaturas, maquetes, pequenos componentes do mundo aeronáutico, todas organizadas em uma lúdica exposição.

O F-100 e, ao fundo, o Constellation.

O piloto Milton Terra Verdi, no final de 1969, perdeu-se na Amazônia e fez uma aterrisagem com seu Cessna no cerrado boliviano, um verdadeiro deserto. Seu cunhado morreu uma semana depois mas ele sobreviveu por 70 dias, até morrer de fraqueza e deixar um emocionante diário para sua família que está reproduzido (em parte), no museu. O avião foi recuperado e instalado tematicamente, formando uma homenagem à Terra Verdi.

Outro laço saudoso de nossa história. Ayrton Senna pilotou esse Mirage da FAB, em 21 de março e 1989.

O Gloster Meteor F-8, fabricado em 1952 e serviu à FAB.

O símbolo usado na Segunda Guerra Mundial pela Aeronáutica brasileira.

Segundo a Wikipedia: Senta a Pua! é o símbolo e grito de guerra do 1º Grupo de Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira, tendo suas origens na Segunda Guerra Mundial.

O símbolo foi criado pelo então Capitão Aviador, depois Major-Brigadeiro Fortunato Câmara de Oliveira, Comandante da Esquadrilha Azul.


Um poderoso avião para manobras rápidas, o Boeing PT-17, de 1943, parece recém saído da fábrica.

Uma raridade, o MIG 21 soviético, um famoso caça dos tempos da Guerra fria.Há também MIGs 15 e 17 no museu.

Celebridade na Segunda Guerra, o britânico Supermarine Spitifire, de 1943.

Uma pseudo-celebridade: o Airbus 330 que levou a Seleção Brasileira para a Copa, na África do Sul, sendo desmontado para inspeções de rotina. O museu está ao lado do Centro de Manutenção da TAM, em São Carlos (SP). Na época de revisões mais detalhadas os jatos ali ficam alguns dias e saem como novos.

Para encerrar, a frase do astronauta Michael Collins, da Apolo XI, sobre a beleza das viagens espaciais: "Penso que viagens futuras deveriam incluir um poeta, um religioso e um filósofo. Talvez assim possamos dar uma idéia melhor daquilo que vimos." Um dia eu conto para vocês.

SERVIÇO

Horários: de quarta a domingo, das 10h às 16h.
Admissões permitidas somente até às 15h.

Endereço: Rodovia SP-318, Km. 249,5 - CEP 13578-000
A lado do aeroporto de São Carlos, SP

Como chegar: saindo de São Paulo, vá pela rodovia Anhaguera ou Bandeirantes, depois entre na rodovia Washington Luís e use a saída 235-B. A museu fica no Km 249,5, a 14 Km da Washington Luís.

Ingressos: R$ 25,00 por pessoa. Crianças até 6 anos, maiores de 65 anos, estudantes e professores pagam meia.

Se você gosta de aviões não perca. É o melhor passeio em terra que você pode fazer pela aviação mundial.

www.museutam.com.br


2 comentários:

marirxandrade disse...

Olá, Luiz!
Trabalho no Museu Tam e fiquei muito feliz ao ler (e sintir) o quanto você gostou e aproveitou essa experiência, que é única, por mais que você visite!!! Só gostaria de fazer uma pequena correção sobre o valor do ingresso. Crianças de 0 a 6 anos e idosos a partir de 65 anos não pagam! Professores, estudantes e idosos com idade entre 60 - 64 anos pagam meio ingresso: R$ 12,50.
Obrigada pelo carinho e nos sentiremos honrados em recebê-lo novamente!
Abraços

marirxandrade disse...

Olá, Luiz!
Trabalho no Museu Tam e fiquei muito feliz ao ler (e sintir) o quanto você gostou e aproveitou essa experiência, que é única, por mais que você visite!!! Só gostaria de fazer uma pequena correção sobre o valor do ingresso. Crianças de 0 a 6 anos e idosos a partir de 65 anos não pagam! Professores, estudantes e idosos com idade entre 60 - 64 anos pagam meio ingresso: R$ 12,50.
Obrigada pelo carinho e nos sentiremos honrados em recebê-lo novamente!
Abraços