quinta-feira, 26 de setembro de 2013

“O viajante é um mercador da luz”

No dia internacional do turismo, relembro o sentido da viagem como uma busca de si mesmo, da luz que ilumina nossa existência. 



"O viajante é o mercador da luz". Ouvi essa frase, pela primeira vez, de Félix Tomillo Nogueira, em Valladolid (Espanha). Há no pensamento antigo e contemporâneo várias referências sobre a matéria ser luz congelada, por ser originária da fusão nuclear das estrelas. Os seres vivos, portanto, seriam igualmente luz congelada. Filhos das estrelas, subprodutos da poeira cósmica congelada, viajantes estelares. Belos e místicos rótulos para vidas em meio à vastidão de um universo incognoscível. 


A primeira religião monoteísta do mundo, o judaísmo, celebra a luz no primeiro parágrafo de seu primeiro livro: “Quando Deus iniciou a criação do céu e da terra, a terra era deserta e vazia, e havia treva na superfície do abismo; o sopro de Deus pairava na superfície das águas, e Deus disse: ‘Que a luz seja!’ E a luz veio a ser. Deus viu que a luz era boa. Deus separou a luz da treva. Deus chamou a luz de ‘dia’ e à treva chamou ‘noite”. (Gênesis, 1, 1-5). Nas bases do cristianismo, o solene prólogo teológico do Evangelho de João igualmente inicia com a celebração iluminada: “No início era o Verbo, e o Verbo estava voltado para Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no início voltado para Deus. Tudo foi feito por meio dele; e sem ele nada se fez do que foi feito. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens, e a luz brilha nas trevas, e as trevas não a compreenderam.” (Jo, 1, 1-5).



O ser humano deseja e luta pela luz. Essas aventuras e batalhas são comuns nos mitos, nas religiões e na história. A luz representa sabedoria, conhecimento, a capacidade intelectual e espiritual ante um mundo brutal. As trevas são o caos, o mal, a ignorância. Portanto, a escuridão perde suas propriedades nocivas ao desaparecer ante a luz, aí reside o fundamento da iluminação.

O escritor Amín Maalouf, em Los jardines de luz, descreve a vida de Mani, nascido em 216 da era cristã e fundador de uma filosofia de vida posteriormente deturpada e denominada maniqueísmo. Mani fala da batalha entre as trevas e a luz e que cabe ao ser humano fazer com que as trevas retrocedam e facilite o brilho da luz divina (Maalouf, 2010, p. 199). Ele conta que “no início do universo existiam dois mundos, separados um do outro: o mundo da Luz e o das Trevas. Nos Jardins de Luz se encontravam todas as coisas desejáveis, no das trevas residia o desejo, um intenso desejo, imperioso. De repente, na fronteira dos dois mundos, se produziu um choque, o mais violento, o mais aterrador que o universo conheceu. As partículas de luz se mesclaram com as partículas de trevas de mil formas diferentes e foi assim que apareceram todas as criaturas, os corpos celestes e as águas, a natureza e o homem. Em todos os seres como em todas as coisas se tocam e se mesclam Luz e Trevas. A Luz se nutre de beleza e conhecimento.” (Maalouf, 2010, p. 121).  

Essa articulação entre a luz e a beleza permeou a arte durante séculos. Para citar um exemplo recente, o espanhol Joaquin Sorolla (1863-1923), ficou conhecido como o pintor da luz por retratar pessoas e paisagens sob a luz do mar Mediterrâneo, sendo pioneiro em mostrar o recente costume das pessoas se banharem nas águas quentes do mar ao sul da Europa. A alegria, a sensualidade e os reflexos, nas águas e areias ou na atmosfera cálida, possuem uma formosa iridescência, qualidade justamente inerente à luz.   



O norte-americano Thomas Kinkade (1858-2012), também é conhecido como pintor da luz, por retratar paisagens bucólicas, idílicas e com um realismo popular, ou seja, na esfera do kitsch. Suas obras são conhecidas mais nos Estados Unidos, onde têm um apelo de massa e popular.



O artista mais conhecido como pintor da luz, é o impressionista inglês Joseph Mallord William Turner (1775-1851). Suas paisagens, naturais ou urbanas, exalam luminosidade, até mesmo em cenas noturnas, onde a lua ou as chamas de fogueiras dominam espetacularmente o quadro.



Outro artista clássico das luzes – e das trevas – foi Michelângelo Caravaggio (1571-1610), o grande pintor das formas sensuais e iluminadas por focos de luz e porções de sombras, em uma teia estética que remete às teorias de Maní, sobre a inseparabilidade entre luz e sombras.


Roger Bacon (1220-1292), foi um dos filósofos a elaborar teorias sobre a primazia da luz para a inteligência e a sensibilidade humanas. Bacon foi um dos primeiros professores de Oxford. Ele era “notável não tanto por suas realizações quanto por sua percepção das possibilidades. Ele acreditava que poderia e deveria haver uma ciência unificada, baseada na matemática, mas que fizesse uso da observação e do experimento, bem como do raciocínio abstrato.” (Magee, 1999, p. 58). Entre essas possibilidades estava a de comunicação entre todos os seres humanos, viabilizada perlo fato de que todos receberiam seu conhecimento a partir de um único foco de luz. No contexto de um mundo cristão, Bacon entendia que o próprio Deus, sem intermediários, daria luz à alma de cada ser humano através da Palavra. A criação do Universo seria a iluminação primordial, absoluta e objetiva. Portanto, levar conhecimento é uma maneira de levar a luz aos outros que igualmente precisam dos alimentos do espírito. 

Um texto recente de Ricardo Menéndez Salmón (La luz es más antigua que el amor), explicita a primazia da luz ante tudo, inclusive o amor, pois ela o antecedeu na criação. A luz é anterior ao humano, e apenas onde existem humanos pode existir o amor. A luz surgiu antes da inteligência e compreensão dos humanos, por isso é que há tanto interesse em relação à luz que perpassa nossas vidas.  A vida é uma lâmpada que os homens cedem uns aos outros: os pais aos filhos, os velhos aos jovens, os sábios aos ignorantes.” (Salmón, 2010, p. 169). A luz se doa e se transporta, uma lâmpada serve tanto para uma só pessoa como para dezenas, pois a luz não tem restrições sociais.

Portanto, ao viajar para ver o mundo e suas belezas, o viajante transporta um pouco dos conhecimentos de sua terra e volta com outros, tendo caminhado e experimentado coisas novas, enriquecido sua existência e trocado luzes com outros povos e culturas. O viajante é um mercador da luz. Caminhando e experimentando ele adquire suas próprias luzes nas trocas que realiza ao longo da jornada.


Um comentário:

Unknown disse...

Texto maravilhoso, inspirado e ILUMINADO! Parabéns.