quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Guia básico para festas corporativas

Final de ano é época de churrascos, festinhas, comemorações, coquetéis e até mesmo almoços ou jantares para comemorar a passagem simbólica de mais um ano. Quando a festa reúne colegas de trabalho, isso significa que alguns cuidados devem ser tomados para que você não pague micos ou seja o bobo da corte. Ou, ainda pior, seja demitido logo depois da farra ou tenha sua carreira comprometida. Festa de trabalho não tem nada a ver com festas familiares ou da universidade (quando se é estudante), onde geralmente a gente põe o pé na jaca e não se preocupa em ser pego de calças arriadas, aliás, muitas vezes faz questão disso mesmo.

Para evitar vexames e constrangimentos no mundo do trabalho, aqui está o Guia básico de Luiz Trigo para Festas Corporativas, um texto prático, exemplificado e comentado, para que você sobreviva às festas de final de ano e não fique com ressaca moral depois da esbórnia. Sei muito bem o que falo, porque nem sempre cumpri todas essas regras, mas sobrevivi aos percalços e geralmente soube onde amarrei minha capivara comportamental. Por via das dúvidas, leia e se cuide.

  1. Bebida

Cair de boca em tudo quanto é líquido é pavimentar o caminho para o desastre. O álcool nos deixa relaxados, informais, melancólicos, agressivos, desbocados e inconvenientes, não exatamente nessa ordem. Beba sem moderação só em casa ou com seus amigos íntimos e nunca com colegas de trabalho, porque seus chefes - aquelas pessoas que te detestam - estarão na festa esperando que você pise no tomate para te espinafrar. Não misture bebidas, não beba demais, não cuspa no chão e nem pense em usar drogas no banheiro ou no terraço, a menos que seja uma dessas festas bem cafajestes, bancadas por quem tem grana e quer te agradar para ganhar favores e os seus superiores são da camarilha, mas aí pode parar de ler isso aqui porque você está em outro nível. Em todo caso, lembre-se de que moral de bêbado não tem dono.

  1. Roupas

Sempre discretas, decentes e de qualidade. Se a festa for na piscina ou na praia, nada de sungas ou biquinis sumários. Se for algo informal, use tênis, jeans (ou bermudas) e camiseta. Para a noite ou em almoços mais formais, um blazer sempre dá um ar cerimonial. Evite gravata, a não ser que todo mundo use, o que é raro. Note que ninguém gosta de gordura, celulite ou estrias aparecendo e que higiene pessoal é obrigação básica. O mesmo vale para acessórios, cabelos, tatuagens, piercings ou marcas tribais, veja se o contexto cultural da festa permite certas liberalidades.

  1. A língua


Não fale mal da festa ou das pessoas que lá estão. Evidentemente essa é a parte mais divertida e sempre há muita gente que se expõe para ser ridicularizada ou achincalhada, mas ali não é o local adequado. Quando muito, comente com seus asseclas mais íntimos, lembrando que numa briga futura tudo pode ser usado contra você. Seja agradável, social, educado(a) e ouça mais do que fale, pois qualquer pessoa parece inteligente quando fica de boca fechada. Pode fazer comentários espirituosos ou contar casos interessantes, mas sem monopolizar a conversa ou querer se mostrar além do que é razoável e isso é difícil de delimitar. Nada de polemizar, discutir, fazer propaganda política ou religiosa, enaltecer seu time, fazer auto-elogios, mostrar fotos de suas crianças ou cicatrizes de acidentes ou cirurgias. Outra coisa, nada de propor o “jogo da verdade” com seus amiguinhos, pois sempre tem um(a) tonto(a) que não sabe quando parar de falar besteira sobre si mesmo e os outros, inclusive de você.  

  1. Onde ficar?


Circulando, fazendo networking, mudando de grupos e pessoas. Nada de se enfiar na sua panelinha e fazer carão aos outros, você não está numa balada. Não fique na frente de portas, escadas ou passagens atrapalhando o trânsito dos garçons ou dos convidados. Tenha certeza de que as pessoas que importam te viram na festa e cumprimente-os com sobriedade e polidez. Não grude em gente que não te quer por perto, a menos que você queira propositalmente irritar a criatura ou delimitar seu espaço profissional, mas não abuse desse artifício, pois festa é para se divertir e não para aporrinhar os outros.

  1. Como tratar as pessoas


Sem intimidades ou atrevimentos, sem gritar ou chamar a atenção para alguém ou um grupo. Fique na sua. Seus colegas não são seus amigos íntimos (muito menos seus chefes) e não é porque você tomou um vinho com sua superiora que ela vai te convidar para sua (dela) casa. Não fale palavrões fora do padrão médio do público onde você está. Não faça fofocas, intrigas, fuxicos ou conte piadas (muito) politicamente incorretas, você não sabe quem está ao seu lado ou qual a preferência sexual ou alimentar dos colegas. Se for apresentado a alguém mais velho, trate de senhor/senhora a menos que a pessoa libere o tratamento mais informal.

  1. Flertar 

Faça isso como os porco-espinhos fazem sexo: com cuidado, muito cuidado. Um olhar, uma gracinha de bom gosto ou um elogio espirituoso são passáveis. Agora, se perceber que teve permissão para aterrisar e gostou da oferta, converse, sorria, marque discretamente e saia para concretizar o pouso fora do ambiente profissional. Os outros na precisam saber com quem você dormiu depois da festa (ou durante, quem sabe). Atualmente o rótulo de “galinha” não pega muito bem, nem para homens, nem para mulheres. Se você trabalha num prostíbulo essa regra não se aplica, mas sempre há uma ética e etiqueta locais que precisam ser conhecidas e obedecidas em todos os lugares, até mesmo num lupanar.

  1. Estrepolias

Quer coisa melhor que subir na mesa, no meio da festa, berrar o nome do seu chefe e fazer uma rima terminando com hu-huuuuuu!!!  Mas é uma péssima idéia. Se você seguiu a regra número 1 (não beber), estará provavelmente livre desses micos execráveis como cantar músicas em coro, abrir a camisa para mostrar os músculos (ou a gordura), fazer trenzinho dançando com os colegas, tirar os sapatos ou jogar comidinhas (cerejas, amendoim, ovos de codorna, azeitonas, caroços de azeitonas) nos outros. Para aqueles(as) que piram apenas respirando oxigênio, não esqueçam de tomar gardenal antes da festa. O mesmo vale para certas brincadeiras e atividades recreativas, bom humor é bom, mas grosseria e chatices são detestáveis. Não tire fotos ou filme as pessoas em posições constrangedoras para depois colocar nas redes sociais, as festas corporativas são privadas e não devem ser expostas indiscriminadamente ao público. Eu mesmo, tenho algumas fotos indecentes de amigos(as) do setor profissional e morro de vontade de postar, mas enquanto  estiver lúcido não o farei.

  1. Dançar 

Sempre é bom e saudável, mas sem fazer coisas como a dança da garrafa, imitar travesti ou perua doida, encostar demais nas pessoas, passar a mão, dar tapas ou jogar os outros no chão, por mais que isso seja divertido e a gente já fez alguma vez na vida, provavelmente entre a adolescência e a senilidade. Faça isso na sua casa, mas nunca numa festa da empresa ou da instituição.

  1. Comida 

Pode comer à vontade e repetir (discretamente) quantas vezes quiser, mas nada de encher o prato ou falar de boca cheia. Se for uma dessas festas onde há comida para usar garfo e faca e não tiver onde sentar, procure algo que possa cortar com o garfo e mesmo assim você não terá uma terceira mão para segurar o copo. Nada de arrotar, fazer barulhos com a boca, palitar os dentes ou limpar os lábios na manga da sua camisa (muito menos nas dos outros). Não fale mal da comida; não elogie demais, pois você não passa fome; não se espante com entradas ou pratos exóticos, pois isso passa a imagem de jeca ou desinformado; se for alérgico a algo, identifique o perigo antes de por na boca, será horrível ter um choque anafilático no meio da farra; não cheire as coisas antes de comer; não pegue algo do bufê, olhe com cara de nojo e coloque de volta, se não gostou da gororoba, deixe no prato e depois jogue discretamente em algum lixo. Outra coisa, não pegue comida do prato dos outros, a menos que seja alguém muito íntimo, mas mesmo assim é uma ação duvidosa e desnecessária. 

  1. Lembrancinhas 

Nada de levar como recordação vasinhos de flores, bexigas, garrafas de bebidas, comida, copos, candelabros ou peças de roupas dos outros. Se derem um prêmio, ganhar algo no sorteio, entregarem uma lembrança para você levar, tudo bem, senão saia de mãos abanando pois passar por jeca ou miserável é a pior coisa que pode acontecer a um profissional. 

  1. Regra de ouro 

Última regra. Se nada disso funcionar, pelo menos lembre do 11º Mandamento: não serás pego em flagrante. 

Boas festas de final de ano e não faça nada que eu não faria.


7 comentários:

Andréa disse...

hahahaahahahahahahahahahahahah! ADOREI!!
bjs

Carla Brito disse...

Muito bom! Me diverti muito. E, lógico vou divulgar com os devido créditos ao autor.

Roberta Guerra disse...

Sensacional artigo !!!

Parabéns...

Mari Aldrigui disse...

Muito bom, querido!
Adicione o "nao chupe os interstícios dentais" e por favor guarde todas as nossas fotos comprometedoras. Estou fazendo o mesmo. Te amo.

celi hiromi ohtsuki disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
celi hiromi ohtsuki disse...

e não me diga que você está conseguindo seguir a todas estas regras???

WELINTON disse...

CONCORDO COM QUASE TUDO, AQUELE DA FOTO QUE ESTA DANÇANDO, PODE DANÇAR EM QUAISQUER FESTAS.